top of page

Crianças vegetarianas na escola

Atualizado: 11 de mai. de 2023

Dicas para avaliar o cardápio oferecido ou montar a lancheira


Não é muito fácil ser vegetariano em uma cultura onívora. Ainda mais quando se trata do público mirim, onde é relativamente comum o questionamento por parte da família, dos profissionais da saúde e até dos amigos. Mas é no berçário, creche ou escola, onde muitas crianças passam grande parte do tempo, que a situação pode ficar mais difícil de manejar. Por uma simples razão: não é possível estar com o filho. Nas demais situações, como na casa de parentes e de amigos ou no consultório do pediatra, os pais sempre poderão estar presentes para oferecer os alimentos que julgam mais adequados.


A dieta vegetariana é segura para crianças


A escolha da instituição é algo que demanda muita pesquisa e negociação por parte dos pais. Por essa razão, eles precisam estar bem seguros a respeito da opção pelo vegetarianismo. Por isso, é importante ressaltar que crianças vegetarianas, quando recebem uma alimentação bem planejada, contendo todos os grupos alimentares e nas quantidades adequadas, se desenvolvem perfeitamente. Há muitos estudos nessa área, disponíveis para os profissionais de saúde. Há também um guia alimentar para bebês, elaborado pela Sociedade Vegetariana Brasileira e publicado em 2018. Acesso: https://svb.org.br/images/livros/alimentacao-para-bebes-vegetarianos.pdf


Da mesma forma que os adultos, as crianças obtêm as proteínas das leguminosas (todos os feijões, grão-de-bico, lentilha, ervilha seca, fava, soja) e o ferro também das leguminosas, castanhas, cereais integrais e folhas verdes-escuras, preferencialmente consumidos com uma fonte de vitamina C. O cálcio, por sua vez, virá principalemnte pela ingestão de leites (materno, fórmula infantil, bebidas vegetais enriquecidas e leite de outros mamíferos), gergelim e folhas escuras (couve, agrião, rúcula)/temperos frescos (salsinha, cebolinha, hortelã, coentro, etc.). A B12 precisa ser monitorada e eventualmente suplementada, tal qual é feito com os adultos.


O que garantir que a escola ofereça


A recomendação abaixo vale tanto para bebês que acabaram de iniciar a alimentação complementar, como para crianças maiores, inclusive adolescentes, com os devidos ajustes na seleção do alimento, sua consistência e quantidade, de acordo com a faixa etária.


Lanches intermediários:


  • Frutas frescas;

  • Cereais, como pão, biscoitos, cookies, bolos (preferencialmente integrais) - evitar margarina e queijos pasteurizados como recheio. Nesse caso, melhor que a criança consuma o alimento puro;

  • Bebidas:

    • Leite materno ou fórmula escolhida pelos pais (até 1 ano);

    • Bebidas vegetais enriquecidas de arroz, aveia, coco, amêndoas (a partir de 1 ano e com recomendação de nutricionista ou do pediatra);

    • Leite de vaca, se a opção for pela dieta lacto-vegetariana (a partir de 1 ano e com recomendação de nutricionista ou do pediatra);

    • Suco ou vitamina de frutas (sempre naturais ou de polpa) sem açúcar.


Almoço e jantar: cereais (preferencialmente integrais), leguminosas, verduras e legumes, com uma fruta de sobremesa. Algumas escolas, quando incluem carne no cardápio, não oferecem as leguminosas. Nesse caso, vale conversar com a escola para levar de casa. Em uma situação dessas, a ingestão de leguminosas no jantar em casa é de extrema importância. Idealmente, as crianças, especialmente bebês e em idade pré-escolar, devem consumir leguminosas 2 vezes ao dia.


A opção é levar de casa


Pode dar mais trabalho, mas essa é a melhor opção.


O que foi sugerido acima, tanto para as refeições principais como para os lanches intermediários, continua valendo. Além disso, para crianças maiores, sanduíches feitos com pão integral e recheados com pasta de oleaginosas/sementes (amendoim, tahine, etc.) misturadas com um fio de melado ou de agave, bolinhos e cookies artesanais podem ser levados de casa, pois não precisam de geladeira e podem ser consumidos nos intervalos.


Agora, veja o que não deve entrar na lancheira e o que usar como substituto:


Sucos: de caixinha, em pó ou concentrados. Prefira sempre os naturais, de polpa ou 100% integrais. Água de coco obtida da própria fruta (nunca de caixinha, pois contém açúcar) também é uma opção. Evite usar frutas que oxidam rápido e alteram o sabor, como laranja, limão e mexerica. Utilize garrafinhas térmicas de inox.


Leites: de origem vegetal ou animal, que contenham gordura vegetal hidrogenada (o mesmo que gordura trans), aditivos alimentares (conservantes, acidulantes, estabilizantes, aromatizantes, edulcorantes) e açúcar adicionado. Melhor “temperar” a bebida com cacau em pó e um pouquinho de açúcar mascavo ou batê-las com frutas. Usar também as garrafinhas de inox.


Bolos prontos: versões veganas ou convencionais normalmente, são feitas com farinha e açúcar refinados, além de gordura trans. O melhor é fazer um bolo em casa, usando farinha integral, açúcar mascavo, óleo vegetal e o sabor que a crianças mais gostar (laranja, limão, chocolate, fubá, maçã, etc.). Na internet é muito fácil encontrar opções sem ingredientes de origem animal. Se necessário, o bolo já fatiado poderá ser guardado no freezer por até 3 semanas.


Biscoitos e cookies: mesmo sendo feitos com farinha integral e/ou açúcar mascavo, algumas versões prontas podem conter gordura trans, xarope de glicose de milho e muitos aditivos alimentares. Melhor é fazê-los em casa e congela-los pelo mesmo período mencionado acima. Caso não haja disponibilidade para isso, busque por produtos prontos, feitos artesanalmente, conferindo a lista de ingredientes, que sempre estará em ordem decrescente. A farinha deve ser integral, o ingrediente “doce” deve ser açúcar mascavo, melado de cana ou agave e o óleo deve ser vegetal (nunca gordura vegetal), como soja, coco, girassol, etc. Bolachinhas de arroz também são uma ótima opção.


Veja o exemplo de 3 lancheiras:


Suco de uva integral diluído com água de coco fresca

Pão integral com patê de tofu e azeitona preta

Mexerica


Leite vegetal batido com mamão

Bolo caseiro de laranja


Creme de abacate com cacau (adoçar com tâmara ou melado de cana)

Cookies caseiros de aveia

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Meu filho não quer comer carne. E agora?

Tem muita criança simplesmente recusando o prato quando tem carne. Há algum risco se ela ficar sem comer proteínas animais? Tire todas as...

Comments


bottom of page