top of page

Vegetarianos mirins

Atualizado: 11 de mai. de 2023

Se a alimentação sem produtos de origem animal é polêmica para adultos, imagine para crianças! Não é incomum ouvirmos que haverá falta de proteína, que o crescimento será prejudicado, que a criança vai ficar anêmica, que o cérebro não vai se desenvolver direito, comprometendo o aprendizado e as funções motoras, etc., etc.,etc..


O que é mito – ou verdade – nisso tudo?


Antes de tudo, é importante dizer que as informações publicadas nas revistas científicas mostram que crianças vegetarianas e onívoras, que são alimentadas adequadamente, se desenvolvem da mesma forma. Há uma gama de estudos que comprovam isso.


No entanto, temos que considerar que existem vários interesses, que vão de culturais a econômicos, que jogam a favor ou contra a ausência de proteínas animais na vida dos pequenos. A população brasileira é predominantemente onívora. Nosso país detém o maior rebanho comercial do mundo. Adivinha onde haverá mais questionamento e implicância com a dieta vegetariana em crianças: aqui ou na Índia?


Além do leite materno


Até o sexto mês de vida, toda criança deve receber exclusivamente leite materno. Nem

água, nem chá. E, na impossibilidade do aleitamento materno acontecer, a fórmula infantil é a única opção. A partir daí, o leite materno não atende mais as necessidades dessa turminha e por isso é necessário iniciar a alimentação complementar, que será composta por uma variedade de alimentos encontrados no grupo dos cereais, das leguminosas, das hortaliças, das frutas e dos óleos. Essa estrutura vai seguir por toda a vida da criança, até a idade adulta, variando a proporção entre os grupos, conforme tabela abaixo.



Carnes (vaca, frango, porco, peixe), ovos e laticínios são opcionais


Como assim? Como esses alimentos são associados a boas fontes de proteínas, cálcio, vitamina B12, ferro e ômega 3, a ausência dos mesmos na dieta da criança pode gerar dúvidas sobre possíveis carências. Será?


Proteínas: a menor unidade de uma proteína chama aminoácido. Existem cerca de 20 aminoácidos na natureza, sendo que alguns são chamados de indispensáveis, pois o corpo não consegue fabricar e portanto precisam vir dos alimentos. Todos eles são encontrados facilmente nos vários grupos vegetais, especialmente nas leguminosas. Não há um sequer que seja exclusivo do reino animal.


Em pediatria, é bem sabido que, quando a criança recebe uma dieta equilibrada, que atenda suas necessidade energéticas, ela necessariamente estará recebendo toda a proteína necessária ao seu desenvolvimento. Assim, criança que recebe comida de verdade não tem falta de proteína.


Cálcio: o leite materno é excelente fonte desse mineral, assim como as fórmulas infantis, que são de consumo obrigatório até os 12 meses de vida na ausência do leite da mãe. A partir daí, ela pode continuar a ser amamentada, receber a fórmula infantil ou substituir essa última por uma bebida vegetal enriquecida com cálcio, cujo teor é semelhante ao leite de vaca: 200 ml de bebida vegetal (preferencialmente à base de arroz ou de aveia orgânicos) contém cerca de 240 mg de cálcio. Nas 3 opções, a criança receberá quantidades adequadas desse mineral.


O cálcio também é obtido dos vegetais verde-escuro, como a couve, rúcula, agrião, brócolis, e do gergelim, que deve preferencialmente ser incluído na alimentação da criança depois do seu primeiro aniversário.


O cálcio para ser bem absorvido precisa da vitamina D, cuja suplementação é recomendada a partir do nascimento, independente da opção alimentar futura da criança.


Vitamina B12: se engana quem acha que carência da vitamina B12 aparece somente em vegetarianos. Bebês onívoros podem também apresentar deficiência se a mãe tiver níveis sanguíneos baixos durante a gestação e a lactação. Assim, a recomendação é garantir a suplementação materna desse vitamina durante toda a gravidez e período de aleitamento. A partir da introdução alimentar, o nutricionista ou pediatra deve avaliar a ingestão da B12 através da alimentação e definir sobre a suplementação.


Ferro: um mineral extremamente importante para produção de energia e distribuição do oxigênio, o ferro é sempre associado com a carne. No entanto, ele pode ser facilmente obtido das leguminosas e das folhas escuras. Para bebês que recebem leite materno, a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda a suplementação a partir do terceiro mês de vida, independente se forem vegetarianos ou onívoros. O cuidado com esse mineral se estende durante toda a fase pré-escolar pela alta demanda metabólica. De novo, não importa se a criança come (ou não) carnes, ovos e laticínios.


Ômega 3: uma gordura importantíssima para o desenvolvimento cognitivo da criança, a suplementação começa já durante a gestação e é garantida através do leite materno ou da fórmula infantil até o 6º mês de vida. A partir daí, esse nutriente será obtido através do consumo diário de óleo de linhaça, inclusive por bebês onívoros, que, na grande maioria das vezes, não consomem peixes diariamente.

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Meu filho não quer comer carne. E agora?

Tem muita criança simplesmente recusando o prato quando tem carne. Há algum risco se ela ficar sem comer proteínas animais? Tire todas as...

Comments


bottom of page