Turbine seus pratos

Alguns alimentos, devido ao excelente valor nutricional, podem ser usados regularmente para enriquecer receitas do dia a dia. Saiba quais são eles e como usá-los.


Para se alimentar bem, não é preciso saber um monte de receitas e nem dedicar tanto tempo à cozinha – a não ser que você queira deixar seu lado chef fluir!


Comida boa e nutritiva pode ser simples de fazer e muito saborosa se você contar com o universo de ingredientes e temperos que temos à disposição. Tudo natural e com grande potencial para prevenção e tratamento de várias condições de saúde.


É só saber onde comprar e como usar. Vamos lá!


Salsinha

Encontrada em qualquer feira, supermercado ou hortifruti, ela é riquíssima em betacaroteno, um excelente antioxidante. Para você ter uma ideia, 20 ramos de salsinha tem praticamente a mesma quantidade de caroteno que 2 xícaras de couve. É também uma ótima fonte de cálcio e, sempre que for consumida crua, fornecerá quantidades significativas de vitamina C, que ajuda muito na absorção do ferro dos feijões. Aliás, 100g de salsinha tem muito mais ferro que 100g de couve e quantidade similar que 100g de castanha de caju crua.



Então, use e abuse da salsinha, sempre sobre o alimento pronto: um punhado em cima do legume, do feijão cozido, de qualquer sopa e por aí vai. Ela também vai bem dentro de sucos e vitaminas.


Cúrcuma

Conhecida como açafrão da terra, esse rizoma que parece um gengibre tem muitas propriedades medicinais, por conter a curcumina, um potente antioxidante e anti-inflamatório. Na Índia, além de fazer parte da culinária, ela também é usada em tratamentos propostos pela medicina ayurvédica.



É muito fácil encontrá-la em pó, em qualquer supermercado, mas ela também pode ser usada fresca (encontrada em algumas feiras livres, especialmente de produtos orgânicos), cortada em pedacinhos ou ralada, para refogar legumes, feijões, colorir o arroz integral ou incrementar várias receitas, inclusive o suco verde. O sabor é marcante então é bom ter mão leve nessa hora.


Quando usamos ela fresca, os dedos e os utensílios ficam tingidos de amarelo para algum tempo. Se cair na roupa, não sai mais.


Algas

Há uma grande variedade delas: kombu, wakame, hijiki e nori, só para citar algumas. Essa última é bem popular nos restaurantes de comida japonesa, compondo os sushis. As três primeiras são bem conhecidas da culinária macrobiótica.


Todas podem ser encontradas em mercados municipais e lojas de produtos orientais.

Muito ricas em fibras e minerais, como cálcio e iodo, podem ser usadas no preparo de leguminosas, sopas, molhos, legumes e verduras.



A alga kombu é comprida e larga e você pode colocar um pedaço quando for cozinhar qualquer leguminosa na panela de pressão – para 1 xícara do grão cru, corte um pedaço de um a dois dedos de largura da alga. Depois, é só amassá-la com o garfo para que ela se misture completamente ao cozido. O mesmo dá para fazer em sopas e no molho de tomate.

A alga hijiki é preta e pequenininha e pode tanto ser salpicada sobre saladas e sopas como refogada com legumes e verduras.


Pasta de missô

Muito gente já experimentou o missoshiro, uma sopa que tem como base essa pasta, que é obtida através da fermentação dos grãos de soja. De acordo com a culinária macrobiótica, esse caldo revigorante é tomado antes da refeição para preparar o estômago.


O missô pode ser usado no lugar do sal para temperar legumes e verduras refogados, para incrementar o molho de tomate (é só diluir a pasta em um pouco de água e acrescentar ao molho) e sopas em geral ou como um delicioso molhinho para regar vegetais crus ou cozidos.


É facilmente encontrado em qualquer supermercado ou lojas de produtos orientais.

***


11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Página administrada por Co-labore: produção de conteúdo

  • Facebook Ana Ceregatti
  • Instagram Ana Ceregatti
  • YouTube Escola de Nutrição